13 de nov de 2009

BRONZEAMENTO ARTIFICIAL




por Luiz Rogério de Carvalho



A recente proibição pela ANVISA, para o uso de máquinas de bronzeamento artificial, como era de se esperar, provocou a irritação dos proprietários de clínicas de embelezamento em todo o país, onde elas funcionam.

Algumas clínicas, insatisfeitas com a medida, alegando prejuízos financeiros, já que adquiriram os equipamentos, sem nenhuma restrição dos órgãos de saúde pública, ameaçam entrar na justiça para tentar reverter a proibição, que a ANVISA justifica como medida preventiva baseada em alerta feito pela IARC (Agência Internacional para Pesquisa do Câncer), vinculada à OMS, que fala sobre o aumento do risco de câncer devido à utilização do equipamento, e que passou de “causa provável” para “causa concreta” de tumores de pele, pois, especialistas internacionais concluíram que o risco é elevado em cerca de 75% quando se utiliza a câmara de bronzeamento antes dos 30 anos.

Sendo justa a reclamação das clínicas de embelezamento que utilizam o equipamento, adquirido legalmente, e para o emprego em ramo de atividade lícita, cabendo, portanto, ressarcimento, também, por se tratar de uma prática condenada pela pesquisa científica, feita por instituição da mais alta credibilidade internacional, tornando indispensável a supressão de seu uso para prevenir o aumento da incidência de câncer de pele, é de se esperar que a ANVISA, responsável pela prevenção da saúde dos brasileiros, mantenha a proibição e, que o judiciário brasileiro, se acionado, seja sensível ao aspecto mais importante da questão, a saúde pública.


PREVIDÊNCIA INJUSTA




por Luiz Rogério de Carvalho


No Brasil, país que vem se desenvolvendo economicamente, que, hoje, já ocupa um merecido lugar de destaque entre as nações, infelizmente ainda é mantido o histórico tratamento injusto, cruel e desumano, representado pelo modo como os governos têm tratado os aposentados da Previdência Social.

Enquanto o trabalhador do setor público, como é de justiça, é aposentado com o valor de seu último vencimento e, depois continua recebendo os aumentos de seus proventos no mesmo índice que recebem os que estão em atividade, os segurados da Previdência Social, ao contrário, nunca são aposentados com proventos iguais ao último salário e, em curto espaço de tempo, pelos índices aplicados pela Previdência, têm seus proventos reduzidos à metade.

Para corrigir esta injusta distorção, os aposentados da previdência social brasileira, organizados em associações, há anos vêm lutando para que suas perdas sejam reparadas e, que os proventos sejam corrigidos, pelo menos nos mesmos índices aplicados no aumento do salário mínimo. Durante esse tempo, muitos até já morreram e, provavelmente, tiveram a morte abreviada por falta de recursos para comprar os remédios, que são necessários nas doenças próprias da velhice.

A verdade, é que os governos do passado sempre foram insensíveis aos reclamos dos aposentados, sempre alegaram que a Previdência Social vai mal porque arrecada menos do que gasta e, por aí vão com um rosário de desculpas que não justificam a má gestão de uma instituição da qual depende a sobrevivência, em condições dignas, de quem trabalhou durante a maior parte da vida, para que este país hoje apareça com o destaque ostentado.

Agora, quando está no Congresso Nacional um projeto visando minorar o sofrimento dos aposentados, vem o governo, na palavra de seu Ministro da Fazenda, dizer que o Brasil, que não quebrou com a crise internacional, pode quebrar se atender o pleito dos aposentados, uma migalha, se comparado com o que é desviado pela corrupção, aquela, por exemplo, que é representada pelos super faturamentos de obras públicas, escândalos do Senado, e tantas outras do conhecimento de todos os brasileiros que, descrever tomaria muito tempo.