28 de set de 2012

Igrejas "Evangélicas"

Por Luiz Rogério de Carvalho

Tenho acompanhado a evolução numérica das igrejas ditas evangélicas, especialmente daquelas que, notoriamente, têm a preocupação financeira em primeiro lugar, visto que o pagamento do dízimo é obrigatório, e seus dirigentes, como se percebe, promovem até cursos de treinamento, ensinando métodos de convencimento, para conseguir tirar dos adeptos o máximo em dinheiro.
A técnica empregada por essas igrejas, que fazem verdadeira lavagem cerebral nos “fiéis”, levando-os ao fanatismo, tem sido muito eficiente, pois basta verificar o crescimento da maioria delas, que pagam às redes de televisão, pela compra de horários, verdadeiras fortunas, sendo que, algumas, já possuem suas próprias emissoras de TV.
Não fosse só o poder econômico dos dirigentes, que está em constante crescimento, não satisfeitas, enveredaram para a atividade política, onde já detém expressiva representação em quase todas as casas legislativas do país, sendo que, no Congresso Nacional já se constituíram em forte representação, autodenominada bancada evangélica. Isto num país que tem uma Constituição laica.
Observa-se também, que a maioria das igrejas evangélicas, com determinação e competência, sabendo da influência dos esportistas, especialmente jogadores de futebol, nas camadas mais simples da população, vêm cooptando muitos jovens jogadores, para participar das atividades religiosas. Por isso, é comum nos estádios ver jogadores, especialmente os ídolos, no momento da comemoração do gol, despir-se da camisa do seu clube, ou simplesmente levantando-a, para mostrar, na camisa que veste por baixo, slogans religiosos, símbolos de sua “fé”, o que, na realidade, representa uma verdadeira propaganda.
Diante disso, é fácil constatar porque essas igrejas, e seus dirigentes, despontam como verdadeiros gigantes do poder econômico, superando o crescimento de grandes corporações econômicas produtivas, pois a acumulação de recursos é muito fácil quando se recebe de muitos, e com isenção de qualquer tipo de imposto.

Dom Dadeus: Judiciário invade jurisdição da Igreja


01/11/2011
Para arcebispo, sentença que o condenou é "inválida"
Religioso diz que apontará as "mazelas do Judiciário"
A Arquidiocese de Porto Alegre divulgou em seu site nota sobre entrevista coletiva realizada nesta segunda-feira (31/10), em que o arcebispo Dom Dadeus Grings lançou a carta intitulada “Judiciário invade jurisdição da Igreja”. Na carta, o religioso faz críticas ao Judiciário por conta de uma ação de danos morais em que foi condenado, juntamente com Diocese de São João da Boa Vista, a pagar R$ 940 mil.
Segundo a nota, o processo decorre da década de 90, quando Dom Dadeus, atendendo ao pedido da população de Mogi Guaçu (SP), posicionou-se a favor de uma obra da prefeitura local. O entrave era um terreno. A família envolvida ingressou na justiça, sentindo-se prejudicada e pedindo indenização em valor “dez vezes acima do normal”. A aquidiocese informa que a ação já transita em julgado e definiu o valor citado a ser pago por Dom Dadeus e pela Diocese de São João da Boa Vista.
Dom Dadeus classificou a decisão como “agressão”, “arbitrária” e “impraticável”. O Arcebispo de Porto Alegre afirmou não ter recursos para pagar a soma definida pela justiça, ao mesmo tempo em que parafraseou São Gregório VII para definir sua postura diante do ocorrido: “Porque amei a justiça e odiei a corrupção, fui condenado pelo judiciário brasileiro”.
Leia a carta na íntegra :

JUDICIÁRIO INVADE JURISDIÇÃO DA IGREJA
Dom Dadeus Grings, Arcebispo de Porto Alegre
Chegou ao fim mais um capítulo da agressão do Judiciário contra a Igreja Católica. Após 16 anos de tramitação, o Tribunal de Justiça de São Paulo condenou-me, juntamente com a Diocese de S. João da Boa Vista, onde fui Bispo de 1991 a 2000, a pagar uma indenização, por danos morais, no montante de R$ 940.000,00, reforçando o que se chama de “indústria das indenizações”, com bases totalmente arbitrárias e impraticáveis. Volta à mente a questão dos precatórios! Que cidadãos recorram ao Judiciário para dirimir suas questões é de direito, mas que o Judiciário não distinga o certo e do errado, a verdade da falsidade, não tenha critérios objetivos para julgar e, principalmente, não reconheça os limites de sua jurisdição nem siga os Acordos internacionais, põe toda a sociedade em risco. O problema da corrupção no Brasil tem sua base exatamente ali, no Judiciário. Todos sabem disso, nas poucos têm coragem de denunciá-lo! Nossa Presidente começou a faxina no Executivo. Quando será a vez do Judiciário, onde o problema é muito mais grave?
Eis o fato: Na década de 90, no Município de Mogi Guaçu, SP, concluiu-se um clamoroso processo judiciário que, por razões que chamei de falta de lisura, demorou mais de 10 anos. Sob ameaça de intervenção, foi decretada uma indenização milionária, dez vezes acima do real. Diante da calamidade pública, alguns cidadãos recorreram a mim, como Bispo da região. – Lembre-se o provérbio que, diante de problemas insolúveis, se manda queixar-se ao Bispo - Trouxeram-me o volumoso processo, que li estarrecido. Escrevi, em consequência, diversos artigos, fazendo ponderações em defesa do Município. Não agi em causa própria. Em reconhecimento o Município outorgou-me, solenemente, o título de Cidadão. A sociedade aplaudiu minha intervenção. A família envolvida, porém, me entregou pessoalmente, na Igreja da Imaculada, uma carta, declarando-se atingida, mesmo que não a tivesse nomeado. Respondi, em carta particular, reconhecendo ser justo reivindicar o que de direito, mas não dez vezes mais. Tinha em mãos o relatório das dificuldades das negociações. Adverti que seus advogados, com suas invectivas, “não me deixavam a impressão de lisura”. Por esta expressão, nesta carta não publicada, sou condenado a pagar R$ 940.000,00, a título de danos morais. É justo?
Era obrigação minha, de pastor, orientar a referida família e chamar a atenção aos desvios. Ela, pelos vistos, passou a carta aos seus advogados que, a partir de então, começaram a me atacar, tanto por jornais como pelo rádio e televisão, culminando num duplo processo. Chegaram a afirmar que eu poderia ser condenado de dois a três anos de prisão, provocando celeuma entre a população, que, em conseqüência, promoveu um ato público de desagravo em meu favor.. Tive, por isso, que esclarecer a opinião pública.
O judiciário, em nenhum momento, examinou a lisura dos advogados, para ver se a impressão que eu tivera era correta. O judiciário nunca procurou investigar acerca dos ataques que os advogados dirigiram contra mim e as calúnias que proferiram. Se sofreram “danos morais”, foi pelas agressões e pelo processo que eles promoveram contra ao Bispo e a Diocese. Desde o início, o Judiciário se mostrou parcial, em defesa de “sua gente”.
O montante da indenização ultrapassa qualquer bom senso. Vê-se que os Juizes estão desligados da realidade. Os ministros da Igreja católica não recebem salários polpudos, como eles, nem amealham fortunas.
O que, porém, leva a dizer um redondo e sonoro não à sentença condenatória e dar um basta aos desmandos do Judiciário é sua invasão no campo da jurisdição da Igreja. O Judiciário não reconhece seus limites. Em primeiro lugar, os juizes bem sabiam que os querelantes buscavam lucro fácil. Alexandre Jobim classifica a indústria da indenização como “artimanha de algumas pessoas para ganhar dinheiro” E por incrível que pareça, obtêm, com facilidade, o aval do Judiciário. Arrolaram a Diocese para garantir o dinheiro, com o objetivo de arrancá-lo do povo católico. Com isto reconheceram, publicamente, que estavam invadindo a missão específica da Igreja e não de um cidadão particular. O Judiciário se joga, pois, diretamente contra a Igreja. Contraria frontalmente sua missão profética de se pronunciar sobre questões de ordem social e moral.. Na verdade o Judiciário quer silenciar a Voz da Igreja frente ao bem comum, como tenta com a imprensa, para acobertar a corrupção no país.
Em segundo lugar, os juizes acintosamente não respeitaram o Acordo entre a Santa Sé e o Brasil, assinado solenemente em Roma, no dia 13 de novembro de 2008, já ratificado pelo Congresso nacional. Trata-se de um acordo internacional, de respeito mútuo das competências. Não pode ser desrespeitado impunemente.
Não posso, por coerência e dever de consciência, acatar esta sentença inválida e desrespeitosa porque contrária aos requisitos do direito nacional e internacional, como intromissão – e não é a primeira – nos assuntos internos e na competência da Igreja. Estou disposto a dar a vida por esta causa.. Se me quiserem prender – conforme o Advogado querelante há 14 anos preconizava, - estou às ordens. Só assim o mundo saberá quanto nosso Judiciário é corrupto e arbitrário.
Diante da gravidade do assunto escreverei nova cartilha para apontar as mazelas do Judiciário e assim colaborar na sua urgente reforma. Ou o Brasil muda o Judiciário ou o Judiciário acaba corrompendo o Brasil. Parafraseando S. Gregório VII, posso dizer: “porque amei a justiça e odiei a corrupção, fui condenado pelo Judiciário brasileiro”. Deus nos proteja e guarde!
Apelo para o Supremo Tribunal de Jesus Cristo, o Justo Juiz!
Dom Dadeus Grings

9 de set de 2012

"O PRESENTE"

O anúncio pela presidente Dilma, da redução de 16% no preço da energia elétrica, feito com tanta ênfase, como se estivesse presenteando o consumidor com o desconto, não esconde a intenção de favorecer politicamente seu partido, em véspera de eleições.
Entretanto, essa redução, não passa do atendimento ao relatório do  ministro Valdir Campelo, do TCU, que pedia a devolução de R$ 7 bilhões, cobrados a mais dos contribuintes entre 2002 e 2009, durante o governo Lula.