10 de out de 2010

CIGARRO...CANCER

por Luiz Rogério de Carvalho

Entristecido, com o grande número de conhecidos, amigos, filhos e esposas que, pelo maldito vício do cigarro são levados à morte, não posso silenciar diante desta realidade, que infelicita milhares de lares com a morte prematura e cruel de pessoas que ainda poderiam viver muito, mas, que o câncer impiedoso a todos acaba matando, depois de longo sofrimento.

O que me deixa um pouco desanimado, é ver que muitos viciados no cigarro, mesmo diante de fatos que comprovam a sua letalidade, e sendo um dos principais causadores de câncer de pulmão, estômago, laringe, garganta, boca e outros órgãos, mesmo presenciando a morte e o sofrimento de amigos e parentes, parecem bloqueados no entendimento, e aos mais contundentes argumentos não dão a menor importância. Até parece que o vício, que lhes está roubando a saúde, também lhes tira a capacidade de raciocinar com bom senso.

Felizmente, também encontramos o outro lado, que não podemos ignorar, e até devemos citar, como exemplo e estímulo, na esperança de que os fumantes venham a se libertar das garras desse terrível e devorador monstro. São pessoas que, conscientizadas, muitas até auxiliadas por medicamentos e profissionais da área da saúde, depois de alguns sacrifícios para romper as correntes do vício, que aprisiona, vencendo dificuldades inerentes, conseguiram a liberdade e, hoje, apregoam as vantagens de viver sem cigarro.

3 comentários:

CESAR CRUZ disse...

Pois é, tio Ruja. Não é a primeira vez que escreves sobre essa praga, o cigarro. Esse MAL terrível levou meu pai precocemente, aos 47 anos, quando eu tinha apenas 19. Infarto. E também minha mãe, que morreu aos 73, também do coração. Sim, ela não era mais nova, é certo, mas pela saúde que tinha, sempre achamos que viveria 90 anos. Nunca pegou nem resfriado! Até que veio a patologia cardíaca, que pediu pontes-de-safena, e que foi mal sucedida, graças às tromboses que os cirurgiões encontraram atrás de seu coração durante a cirurgia. Foram categóricos: minha mãe sofria de uma gragilidade capilar muito grande, potencializada pelo hábito de fumar; 55 anos de fumo. O pós operatório não foi nada bom e ela morreu no mesmo dia. Pulmões fracos demais, segundo os médicos.

Uma maldição, enfim.

abço
Cesar

Fernando Claro disse...

ES, Vitória, 16 de dezembro de 2010

Caro Tio Ruja, tudo bem?

De vez em quando, quando Deus permite, nós fazemos visitas a amigos da blogosfera para trocar idéias, criticar para juntar, sugerir e confraternizar, pois Democracia no BRasil nos permite este pleno direito ao exercício da Cidadania.
Não há como não ser solidário com o amigo e com Cezar Cruz diante deste descaso com a saúde pública!
Lamentável e desgraçadamente todos nós já sofreu e sofre por alguém que já foi tragado por este maldito vício, o tabagismo.
É inegável que a os programas de saúde trouxeram grande contribuição para combater e se abster do vício (doença) de fumar.
O tabagismo, como o alcoolismo, e os demais vícios em drogas são verdadeiras pestes que está assolando o Brasil e o mundo.
Deixei de fuma em 2004, bem como deixei de beber em 2002.
Hoje, Tio Ruja, estou lutando para me ver livre do valium 10 mg, 30 a 50 mg/dia, prescrito para ansiedade em 1978 e até hoje não descontinuado pelas dezenas de médicos-psiquiatras por quem passei, com o expresso conhecimento e omissão do Laboratório de Drogas Entorpecentes, Roche!.
Gostaria com isso de lhe propor que comandasse uma veemente campanha massiva na Web contra o tabagismo.
Conte comigo sempre que a causa for Justa e estiver contemplada na Palavra!
Saudações cívicas por um Brasil mais soberano e sem miséria!
Fraterno abraço,
Fernando Claro
Advogado cassado desde 2006 pela OAB em pleno Estado Democrático de Direito e perseguido econômico

Fernando Claro disse...

ES, Vitória, 16 de dezembro de 2010

Caro Tio Ruja, tudo bem?

De vez em quando, quando Deus permite, nós fazemos visitas a amigos da blogosfera para trocar idéias, criticar para juntar, sugerir e confraternizar, pois Democracia no BRasil nos permite este pleno direito ao exercício da Cidadania.
Não há como não ser solidário com o amigo e com Cezar Cruz diante deste descaso com a saúde pública!
Lamentável e desgraçadamente todos nós já sofreu e sofre por alguém que já foi tragado por este maldito vício, o tabagismo.
É inegável que a os programas de saúde trouxeram grande contribuição para combater e se abster do vício (doença) de fumar.
O tabagismo, como o alcoolismo, e os demais vícios em drogas são verdadeiras pestes que está assolando o Brasil e o mundo.
Deixei de fuma em 2004, bem como deixei de beber em 2002.
Hoje, Tio Ruja, estou lutando para me ver livre do valium 10 mg, 30 a 50 mg/dia, prescrito para ansiedade em 1978 e até hoje não descontinuado pelas dezenas de médicos-psiquiatras por quem passei, com o expresso conhecimento e omissão do Laboratório de Drogas Entorpecentes, Roche!.
Gostaria com isso de lhe propor que comandasse uma veemente campanha massiva na Web contra o tabagismo.
Conte comigo sempre que a causa for Justa e estiver contemplada na Palavra!
Saudações cívicas por um Brasil mais soberano e sem miséria!
Fraterno abraço,
Fernando Claro
Advogado cassado desde 2006 pela OAB em pleno Estado Democrático de Direito e perseguido econômico