13 de jun de 2009

POLICIAMENTO E SISTEMA CARCERÁRIO



por Luiz Rogério de Carvalho


O sistema carcerário brasileiro, que deveria ser um dos principais pilares para a sustentação da segurança pública, de responsabilidade dos governos estaduais, que, nas campanhas eleitorais aparece no primeiro plano do programa, passadas as eleições, logo cai no esquecimento, e o que se vê é o completo abandono dos compromissos assumidos.

O resultado desse abandono, fruto de promessas demagógicas, é uma população desprotegida, com o patrimônio e a vida das pessoas à mercê de bandidos que, por falta de estabelecimentos penais adequados continuam livres, praticando toda espécie de crimes, atormentando a vida da população ordeira, que já não tem mais segurança nem para andar pelas ruas das cidades.

Os assaltos às residências, os seqüestros de pessoas e os latrocínios viraram uma triste rotina, e ninguém tem mais a quem apelar, pois sem policiais em número suficiente para garantir a segurança, chegamos também à falência do sistema carcerário, o que já levou o judiciário, no Rio Grande do Sul, a não decretar a prisão de criminosos, mesmo os que praticaram crimes de homicídio, porque inexiste vagas nos presídios, que já são verdadeiros depósitos de gente.

Aqui em Florianópolis, o aumento da criminalidade que, de um ano para o outro teve aumento de mais de 50%, leva os moradores ao desespero, diante da incapacidade da polícia para conter o que, hoje, representa uma das principais preocupações de uma população desprotegida.

O policiamento, feito com número de homens infinitamente inferior ao necessário para garantir a segurança da cidade, não aparece nas ruas, a não ser quando chamado, e para registrar a ocorrência, depois do crime praticado. Uma atividade de prevenção eficiente, com efetivo policial suficiente, parece não estar na preocupação do governo estadual, que teve a segurança pública como uma das suas principais propostas na campanha eleitoral.

Passadas as eleições, foram esquecidas as promessas, e a população para ter um mínimo de segurança, tem que se aprisionar em suas casas e apartamentos, sempre ameaçada pela livre ação dos bandidos, enquanto que o governo, este, está “se lixando” para o povo, pois sua segurança parece estar garantida pelo policiamento oficial.

2 comentários:

Cesar Cruz disse...

Caro tio Ruja,

Há tempos não vinha aqui... Ah, que bela verdade resumida neste artigo! Oportuno!

Olha, não só o sistema carcerário, mas o conceito todo de segurança pública está abandonado. Aqui em São Paulo é assalto e crime com morte todo o santo dia. O bandido aqui mata por exibição, crê? Um se exibe pro outro e diz, depois de atirar, gratuitamente, e correr: "mandei chumbo mesmo! Tu tá ligado que não gosto de playboy me olhando muito"... E aí se vai uma vida. Se acaba uma família... Muito triste...

Fico vivendo aqui nessa cidade, morto de medo! Tenho medo que a violência exploda contra alguns dos que amo! Minha mulher, minha filhinha, um amigo! Ó Deus! O que será de nós?

Cesar Cruz
São Paulo, Capital

Conceição Duarte disse...

Meu amigo, estamos largados e abandonados, só não estamos mais, porque eles adoram tira um sarro da nossa cara!
bj CON