24 de out de 2007

CRIME ECOLÓGICO



por Luiz Rogério de Carvalho


Em matéria divulgada no Jornal Nacional, no dia 20/10/2007, foi mostrada a situação em que se encontra a Mata Atlântica, no Estado de Santa Catarina que, devido ao desmatamento indiscriminado, conta com menos de 7% de florestas, da mata original.

A reportagem é importante, para mostrar que depois da destruição de 93% da mata atlântica, ainda continua o desmatamento, caminhando para a rápida extinção de várias espécies, como as remanescentes araucárias, canelas e imbuias, para dar lugar à plantação de pinus.

É inacreditável que esse crime ecológico esteja sendo praticado sem o conhecimento do IBAMA e da FATMA(Fundação Catarinense para Defesa do Meio Ambiente), pois basta transitar pelas rodovias BR 282, 116 e 470 para ver que, mesmo às suas margens, no lugar das muitas matas antes existentes, hoje estão sendo plantados milhares de pinus, essa árvore exótica, verdadeira praga para a natureza, pois embaixo dela nada cresce. A fauna e a flora tornam-se praticamente impossíveis.

A Região Serrana do Estado de Santa Catarina onde a paisagem destacava-se pela beleza do verde de seus campos, e pela imponência de exuberantes araucárias, mescladas com a diversidade de outras árvores nativas, hoje está vestida de um verde sem esperança, representado por uma mata homogênea, com finalidade econômica sim , mas, sem levar em conta o alto custo para o meio ambiente, pois até as margens de rios e ribeirões estão sendo desmatadas.

Se, ao longo das rodovias, é visível o desmatamento para o plantio de pinus, é fácil imaginar o tamanho do dano ambiental que vem ocorrendo mais para o interior do Estado, onde a fiscalização deve ser praticamente inexistente, pois, conforme mostrou o Jornal Nacional, o desmatamento e os mares verdes de pinus, que estão invadindo as remanescentes matas nativas do Estado de Santa Catarina só foram descobertos por meio de fotografias feitas por satélite.

Uma das partes mais bonitas da Região Serrana Catarinense, a Coxilha Rica, abriga uma rica fauna e diversificada flora, e é conhecida pela beleza e qualidade de seus campos. Ali, a criação de gado de corte sempre representou a força da pecuária regional.

Pois até aquela maravilhosa região está sendo invadida pela febre do pinus e, se não for controlado o seu plantio, logo a veremos transformada numa imensa floresta de árvores exóticas, ilegalmente substituindo os verdes campos, e a mata nativa, habitat natural de tantos animais selvagens, incluindo o Leão Baio, o puma brasileiro.

Um comentário:

Anônimo disse...

bom artigo