20 de ago de 2007

FLORIANÓPOLIS, O PARAÍSO

Ponte Hercílio Luz / foto de Flávio Oliviera


por Luiz Rogério de Carvalho


Aposentado, vindo do interior do Estado, moro na cidade de Florianópolis, no lindo Bairro de Coqueiros onde, além de curtir, extasiado, as belezas naturais das “Praia da Saudade”, “Praia do Meio”, “Itaguaçú” e “Bom Abrigo”, sempre ouço, no rádio e na televisão, assim como também leio nos jornais, que Florianópolis é a mais bela e atraente capital brasileira, a que oferece a melhor qualidade de vida.

Bela e atraente, sem dúvida, a capital catarinense é. Suas mais de quarenta lindas praias, da ilha e do continente, e uma topografia privilegiada fazem desta cidade, um cartão postal capaz de encantar qualquer visitante.

Os visitantes, especialmente aqueles que moram em grandes capitais, sufocados com a poluição, com a insegurança, com o trânsito, congestionado e desumano, desejosos de encontrar o lugar ideal para morar, e pensando no melhor para os seus filhos, muitas vezes levados também pela propaganda, voltando para as suas cidades, muitos tem buscado um meio de mudar para Florianópolis, para viver neste paraíso, abençoado pela natureza com tantas belezas, e lindos ocasos.

Entretanto, esta cidade, que tem nas belezas naturais seu principal atrativo e, por isso, de tão divulgada, hoje já é o refúgio de brasileiros de todas as partes, também sofre por ser bela e encantadora; parte da construção civil vendo na expansão imobiliária grandes possibilidades de negócios, ao lado do progresso que promove, também tem sido a grande vilã na degradação do meio ambiente, e do crescimento desordenado. Para tanto, muitos não se pejam e, para a construção de obras inadequadas e irregulares, que agridem o meio ambiente, ferindo a legislação ambiental, apóiam-se em políticos e servidores públicos corruptos, na ânsia do enriquecimento.

É o que vem acontecendo, ao longo de vários anos, com construções irregulares, aprovadas por funcionários e vereadores desonestos e corruptos que, longe de exercer suas funções na defesa do bem público, aliam-se a “empresários” inescrupulosos que, nenhuma preocupação têm com o desenvolvimento ordenado e o bem estar social.

Felizmente, com a operação “moeda verde”, desenvolvida pela Polícia Federal, Ministério Público e, hoje, também a Câmara de Vereadores de Florianópolis, e na expectativa de que o Judiciário também fará a sua parte, temos a esperança de que a situação se modifique, e a lei passe a ser respeitada, para que nossa capital, apesar dos danos ambientais já sofridos, possa ter, daqui para frente, condições de crescimento disciplinado, respeitada a legislação, especialmente a ambiental, para que sejam preservados os mangues e as áreas verdes de preservação permanente, pois, só assim, teremos condições de dizer que vivemos numa capital que, além da qualidade de vida, também se destaca pelo respeito à lei e ao meio ambiente, com vista à melhor qualidade de vida da população que aqui já vive, e também daqueles que, atraídos pela propaganda, para aqui acorrem.

Um comentário:

Marie Walewska Rodrigues Tucunduva disse...

Floripa, certamente merece muito mais do que respeito por seus moradores e turistas que por ali transitam, a falta de planejamento e de cuidados ambientais podem deixar escapar essa linda ilha as suas belezas e perder para poluição e crescimento desordenados. A coleta de lixo seletiva o controle de trânsito e tudo o mais que o progresso faz quetão de diluir deve ser planejado.
Os governantes devem parar de "se achar"com discursos improdutivos e trabalhar por melhoras definitivas, um abraço de Curitiba